BREVE HISTORIAL DA EXISTENCIA DE FRACCIONISMO NO SEIO DO MPLA

JES e filhosFacçao Neto                                               Faccço  R.Leste                                              Facçao R.Activa

Observacção 1-  Quando um dos grupos excluí os outros  ,e só este  grupos concentra a sua volta todos os poderes de direcção , torna-se assim ela propria na unica fracção e que não permite a unidade real do partido , mais sim  uma unidade aparente./Neste caso concreto aqui a ala presidenciata apresenta se como a unica  facção.-Pois excluiu os outros dois grupos depois dos acordos de Brazaville em 1974 e 1977 exclui o MOV-27 de forms violenta

Vamos demonstrar um exempo onde os grupos internos independentes cooperam – aiha partilham o poder de poder e as  decisao sao tomas  de forma consensual e colegial, no seio da organizaca-Evitando assim a existe de fraccionism

Faccãao/Neto                     FaccaãoR.L                  Faccaão R.A          Mov—27 de Maio

Quando os grupos assim iinteragem, discutem e obtem consenso das questóes organizativas do partido ou da Nação Estamos em presencia duma unidade verdadeiado. Nestas condicóes a criação de fraccionsmo seria logo neutralizada.

BREVE HISTORIAL DA EXISTENCIA DE FRACCIONISMO NO SEIO DO MPLA

1-1962 – Com a Chegada do Dr Agostinho Neto em Junho de 1962,2- Em 1963 exclusão de Viriato da Cruz,3-  Em 1965/1966 ,- exclusão do grupo de Francisco Cambaio ,  e António Barros , 4-Em 1968 exclusão da Revolta do Leste ,5 -Em  1973 exclusão da revolta Activa, 6-Em 1975 exclusão dos grupos interno MPLA *Oca, comites Ginga , Hoji-ya Henda, 7-exclusão das Comissões Populares de Bairro entre Outubro 1974/1975, 8-Exclusão de Nito Alves e Jose V da direcçãao do MPLA -1976 , 8-Exclusão do Moviemnto 27 DE Maio  1977, -mais de 110.000 militantes 9- Exclusãao dos Militantes esquerda * Mov-Rectificação* 1981, 10- Exclusão dos intelectuais revolucionarios da direcção do MPLA * actoo de peca e quadro* 11- 4 Congresso do MPLA-1989, continuação de exclusão dos intelectuais revolucionários da direccão do MPLA-Conclusão –Todos estes actos fraccionistas visou controlar todos os poderes pelo Bureau Politico do MPLA , Constitundo inicialmente por 11 elementos—Sete/1974 –Asim sendo a violação dos Acordos de Alvor foi da responsabilidade destes 11, pois foram eles que convidaram as tropas estrngeiras para a tomada do poder pels forca em Angola.

O ENCONTRO DOIS DOIS MPLA- INTER-REGIONAL SETEMBRO 1974

 MPLA –OFICIAL-23 MMPLA –INTERIOR – 8 membros

Breve Historial, Para que possamos todos compreender a origem do fraccionismo no MPLA

Em 1962, o Partido Comunista Portugues organiza a fuga para Marrocos de um seu antigo militante, o medico angolano Antonio Aostinho Neto. A 1 conferência do MPLA , realizado em Dezembro de 1962 , atribui a Neto a presidencia do movimento.Como Vice Presidente ,surgem dois negros .- Matias Migues * 1 Vice Presidente * e o reverendo Domingos da Silva  2 Vice Presidente . O Comite Director integra ainda quatro mestiços. - Mario de Andrade, <que em breve deixara o movimento>, Lucio Lara , Anibal de Melo e Iko Carreira.Durante a conferência,estaloua primeira grande crise da historia do MPLA. Viriato propunha um recuo táctico dos não negros nos órgãos de direcção, sacrificando-se a si próprio para dar o exemplo. Em contrapartida, Neto partia do postulado de que a unidade do movimento não devia tolerar qualquer concessão nos principios fundamentais, designamente na practica de um absoluto nao racismo. Paraa crise contribuiram, aindaoutros factores - primeiro, as contradiçõoes entre universitários e não universitários, depois, a practicainexistencia duma acção armada em terrioório angolano, do qual não se dominava nem uma polegada, finalmente, a dificil convivencia de Viriato da Cruz com Agostinho Neto.

Surgem, pois no MPLA duas faccões distintas, a de Neto e a de Viritato, facções que entram em choque, chegando às confrontações fisicas e até trocas de tiro. Abandonando o MPLA, Viriato começa por ingressar na FNLA, que deixarátambém,acabando por se exilar na China onde,morre. O MPLA, reduzido a um pequeno grupo de dirigente em torrno de Agostinho Neto, está encurralado nas complicações de Leopoldville e sem apoios na sua rivalidade com a FNLA, de Holdem Roberto. É nestas circunstancias que Agostinho Neto faz uma aliança com grupelhos saidos dos meios emigrantes, como o Movimento Nacional Angolano *MNA* e o Ngwiazini ya Kongo *Ngwizako* ,acusado de estar a soldo da PIDE e do consolado Portugues em Leopoldville. Estas organizações, com o MPLA e a União Nacional dos Trabalhadores de Angola *UNTA* , que seria, depois da independencia e até a decada de 90 , o sindicato oficial e o único de Angola , formariam a Frende Democrática de Libertação de Angola *FDLA*-Sucedem-se outras deserções , designadamente a de Maio de Andrade.

A situação do MPLA, em Leopoldvilletorna-se insustentavel. Beneficiando do facto de, em meados de 1963, o regime do abade Fulbert Youlou ter sido derrubado no Congo Brazaville  e substituido por um regime revolucionário , o MPLA muda asua sede para aquele pais.

A CONCENTRAÇÃO DO PODER* NETO /  JES * É ANTI ESTATUTÁRIO

Até 1962, o MPLA tiverá un Presidente, um seretário geral e um tesoureiro. Contudo, a partir daquela data , todas as funçoes se concentraram em Agostinho Neto .É o Presidente que convoca o comité central , nomeia e demite os responsáveis , faz as transferências de quadros , dá ou não dinheiro para o funcionamento dos vários departamntos, altera inclusive a politica e a estrátegia.Ao que parece, conduzia o movimento a seu bel-prazer, favorecendo uns e humilhando outros, consoantes o momento politico as suas próprias necessidades enquanto lider.../Do ponto vista da luta de classe esta atitude obdecia o plano da nova estrayegia imperialista para Angola.

No Comite Director saído da Conferencia Nacional de Dezembro de 1962, entraram dois mesticos, que acompanharao Neto ao lono dos anos. Lucio Lara, seu amigodesde os tempos de Coimbra e seu Padrinho de casamento, fica com a Organizacao e a Formacao de Quadros,  -Heriques Teles Carreira *IKO* fica com a responsabilidade da seguranca. Nao eram seus rivais, pois seriadificil um mestiço, num país de negro, guindar se ao lugar cimeiro de um movimento de libertação nacional. Alimentavam o seu poder pessoal e estavam ligados a ele por várias cumplicidades.

Neto dificilmente se separaria destes companheiros de longa data, mesmo quando sabia que cultivavam. Estranhas relações. Por exemplo, IKO Carreia , tinha por amante uma negra fula, Josephine Charlotte Wolf Carreira, uma mulher, muito vivida , viajada , extraordinariamente evoluida Por um amigo um tal Laurent, jornalista frances que viria a ser condenado , em 169 , por espionagem . Alias , em 1973 , numa ocasião em que a guerrilha estava a ser fustigada e se passava fome, Iko Carreira entrega o filho, na fronteira, as autoridades coloniais, para que estas o mandassem a seu pai, um alto funcionário das finanças. A PIDE serve de mediador na operaçao.

Toda a técnica da clandestinidade, nós aprendemos la das organizações portuguesas , confessava Mário Pinto de Andrade Era ,pois natural que antigos membros do PCP , como Agostinho Neto e Lúcio Lara , tivessem propensão para adoptar o princípio orgânico do centralismo democrático, mesmo que um movimento de carácter frentista , agrupando gente das mais diversas ideias politicas

Sóque, na práctica o MPLA funcionamento do MPLA revela muito centralismo e bem pouca democracia. Durante mais de uma dezena de anos, não se realizou qualquer congresso, mas apenas duas conferências nacionais, em 1962 e 1964, com carácter muito restrito. E mesmo o congresso que estava previsto realizar-se, em Janeiro de 1973 na Zâmbia, acabou por não se efectuar, presumivelmente por sabotagem de alguns dirigentes, pouco interessados em deixar funcionar regras democrâticas. -Ora este esatdo de coisa legitima as reivindicações do Movimento Contestatário27 de Maio de 1977, contidas nas propostas Superficiais e de Fundo de 11/2/77 remetido pelo então membro do Comite Central ao Presidente do MPLA.

O ataque direito aos problemas adiava-se em nome da harmonia e da estabilidade, sublinhou um destacado comandante guerrilheiro, depois de referir a falta de contestaçao e crítica radiacais.* Comandante Gika* - Daqui se conclui de que as constenta;oes do MOV A, 27 DE Maio eram legitima estatutariamente *

O centralismo democrático, princípio organizativo dos partidos comunistas, será mesmo consagrado nos Estatutos aprovados pela a conferência Inter Regional de Militantes, realizado de 12 a 20 de setembro de 1974. A democracia ,o centralismo e a disciplina são pilares e métodos de trabalho aí aprovado e que prevê a eleição dos organismos dirigentes da base ao topo , a submissão da minoria a maioria , a subordinação dos órgãos inferiores aos superiores –cuja decisões sao obrigatórias- ,a disciplina rigorosa – com a proibição de facções e de qualquer actividade fraccionaria- , a direcção colectiva , a crítica e autocrítica – como metódo de aperfeicoamento do trabalho , de correcção dos erros e da educação dos militante.

Dos estatutos sidos da inter-regional, transportado para o 1 congresso 1977  podeia ler  artigo n 12*demissão de membros*  a sua alinea

(c-) - O Comité Central do Partido, o B.P. ou o S.P. podem em casos que considerem especiais, admitir um candidato a qualquer categoria de membros, sem mais formalidade,.

(f)- Para os cidadãos que outrora tenham estado filiados noutros partidos ou organizações politicas, as condições de admissões são estabelecidas pelo C.C. do Partido, de acordo com as caractertisitica de cada um.-

Ora se termos em consideração as afirmações do presidente aquando do almoço com Nito Alves e José Vandunem, depois de aprovadas varias mocoes de reprovando a decisao tomada por Neto e pares da expulsao se Nito Alves e J.V.

Citamos *... Aparitir de agora nao respondo pela vossa intergridade fisica...* Ora então se questiona .-Os membros do comite central eram  homens refens do Presidnete  Neto ? E se eram refens do Presidente ,como é que 30 homens do C.C. poderiam perante esta questao delicada decir em consceincia plena ? O Que isto siginificava?- Que o poder estava concentrado com uma  so  pessoa,, ao contrario o que orientava os dovumentos do Partifo.

Que na direcçao do partido nao funcionava o centralismo democratico, nem outros instrumentos prescritos nos estatutos, prova esta afirmaçao os depoimentos de Iko Carreia citamos ( ..Dirigir Angola , sendo obrigado a ouvir um comite central ou um bureau politico , sem que fosse necessario agir, nao era coisa do gosto de Neto. O centralismo democratico , em vigor na Organizaçao ,nao fazia a diferenca .Por isso . algumas decisoes de Neto nao passavam pelo su partido , nao  emdo assim  a caucao deste. Mesmo durante a luta de libertaçao , muitas vezes, Neto tomou decisoes que julgava necessarias , tendo posteriormente o acordo dos orgaos dirigentes do seu partido. Assim agia Neto , por vezes ). Assim agiu , mais uma vez , ao decidir expulsar dois membros do Comite central. * Conclusao só uma pessoa decidiu em nome de 30.-Que cobardia dos demais membros  ! Logo a expulsao foi ilegal E os reparos?

Já Viriato da Cruz via na personalidade de Agostinho Neto um autocrata em potencia, afirmou Mario Pinto de Andrade, acrescentado: No que nao estava de todo errado .... E Deolinda Rodrigues, membro do Comite Director do MPLA, heroina e martir assassinada pela UPA/FNLA no quartel de Kinshasa , escreveu , em Marco de 1965 , no seu Diario : ANGOLA NAO TEM AINDA ACTUALMENTE O DIRIGENTE NECESSARIO . e esclarecia : O Neto é muito influenciado pelas teorias chamadas avançadas , compreensivas e nao sei que mais. Nao é politica e moralmente virgem.( Ora a pressao feita a favor de Neto vem demonstrar , que foi o  predileto esvolhido, para por em marcha e implementar as politicas que colocarias Angola como um pais dependente do monopolio )                                               

ASSEMBLEIA NA CIDADELA- No dia 21 de Maio de 1977, realizou-se na cidaddela  Desportiva de Luanda uma Assembleia de Militantes. O pavilhao estava completamente cheio. Por detrás do Presidenci , um cartaz com os dizeres : Viva o camarada  Presidente Neto .A revoluçao deve liquidar a Contyra Revoluçao . Da esquerda para direita viam-se Lucio Lara , Ambrosio Lukoki , Lopo de Nascimento , e Agostinho Neto.O Presidente fala em tom de gracejo dos membros do Comite Centrl que os fraccionistas queriam atingir: Lucio Lara,Iko Carreira , Carlos Rocha Dilolowa e Rodrigues  Joao Lopes .Exalta as siuas qualiades .Mas simultaneamentre , desqualifica-os.. – E Agostinho Neto anuncia:

(... Vamos dar um combate sério ao fraccionismo. Nao pode haver fraccao dentro do MPLA. Ou se é do MPLA ou nao é do MPLA. Quem nao está de acordo saí....)-Porque nao saiu ele /62?

(...Tudo isto porque , imagine-se esta é uma ditadura e se for necessario tomar medidas mais duras , nós vamos tomar...quem manda é o MPLA....)Se esqueceu que tinha que obdecer os Estatutos?

E anuncia se o afastamento do comite central de NITO Alves e de Jose Vandunem , acusados de aactividades fraccionistas. Numa das ultimas filas, um militante , nervoso , tenta fazer pergunta .É rodeado por elementos da DISA , que o preendem.Neto e os seus , contra o que fora apurado pela Comissao de Inquerito , tinham resolvido decretar que havia actividade fraccionista . E agir em consonancia  (Infelizmente Neto era o fraccionistadiplomado  desde a decada de 60 e procurou passasr o testemunho a jovens revolucionarios ePatrioticos e Nacionalista )-o Artigo n 12 dos estatutos saidos do 1 congresso provam esta afirmaçao , assim como as citaçoes que aseguir vamos transcrever -

Cda/JES-1985 (....Durante este periodo face a deteorizaçao da situaçao economica e social no pais , o comite central *faccao de direit-ala presidencialista* viu se obrigado a suspender a recomendaçao do 1 congresso extraordinario , sobre a nao acumulaçao de funçoes , entre o Partido e o Estado...) (...Assim e para melhor aproveitamento da capacidade de alguns camaradas  decidiu  se nomear alguns responsaveis em regim,e de acumulaçao , no Partido e mesmo no aparelho de Estado...)–Sera dos 32 que violaram o centralismo democratico .Daqui se conclui de que esta decisao do comite centra é mais uma actividade fraccionista , a exemplo daquela que levou a expusao dos dois membros do comite centralem 1977.O que implica dizer que os verdadeiros fraccionistas continuam no Partido , ate aos dias de hoje. So assim se pode explicar o retorno ao capitalismo articulado er a nivel da direcçao do Partido a uma concordancia absoluta. Daas duas ou uma :- Ou os membros do comite central nao sabem o que é fraccionismo ou sao fraccionista declarados assumidos  e como tal  , tudo corre segundo as suas estrategia  que é de de manter  validos ,  aos pendentes da descolonizaçao. E hipoteca de Angola que o torna prisionaria das Potencias Internacionais devido os seus recursos naturais, segundo se confirmou na nova estrategia imperialista para Angola em 1965 , na mesa redonda em Lisboa – Daqui  que a siada desta armadilha passa pela solução dos pendentes da descolonização e  e desipotecade Angola.

A LUTA CONTRA O FRACCIONISMO

No MPLA proliferam grupos .- SOVIETICOS, MAOISTAS , TITISTA, ,TERCEIROS –MUNDISTAS, SOCIAL DEMOCRATAS , NACIONALISTAS DAS MAIS VARIADAS TENDENCIAS. Ora ,no MPLA, cujananlinha politica nem sempre é clara , não existe o hábito de confrontar ideias .

As organizações do poder popular manifestam a sua pujança.Nito Alves e os seus amigos têm uma popularidade e influência crescente nesse poder popular, assim dom em sectores do apareljo politico-administrativo e militar. Em regra, as * aguas novas* da juventude procuram uma saída imediata.  E , quando não a encontram, acabam por abrir caminhos diferentes. Mas isto não ê compreendido, nem aceite. De modo que, depois do ataquea elementos isolados. Da ja ineexistente Revolta Activa e da perseuição aos maoistas da OCA e dos CAC, vão chegar os ataques a nitistas.

Manuel Pedro Pacavira terá então sido o primeiro a denunciar a existência de uma * conjura nititsta*, no interior do MPLA. E Nito e apresentado como um ambicioso que quer suibstituir Neto, como um racista que estuda direito * numa alusao do facto de ser o unico membro do comite central do MPLA que estydava na universidade *, como um lacaio dos sovietico. E naturalmente como um fraccionista.

Isto porque o MPLA e um movimento e nao uma frente. Ao contrario de um partido, nele coexistem tendencias politicas. Mas distingue/se fundamentalmente da Frente pelo facto de que nao podem existir * no seu seio * fraccoes ,isto ]e tendencias organizadas.

Juliao Mateus Paulo *Dino Matrose* declara ter sido colocado pelo Presidente Neto a trabalhar com Eduardo Ernesto Gomes da Silva *Bakalov*, que estaria a chefiar os fraccionistas. Tinha por missao vigia-lo, pois a 9 brigada e as grandes unidades estariam infiltradas .E a maior parte dos comissarios poliricos tambem estavam com os fraccionsitas.

Os calculos sobre quem esta ou nao infiltrado podem gerar enormes contradicoes. Numa entrevista a um antigo responsavel da policia politica, este, divagando sobre a infiltracao dos fraccionistas na DISA, falou de80% e de 70% , para finalmente se quedar em mais de 50%.

CARTA DE NITO ALVES

Depois da reuniao do C.C. do MPLA em que, em resposta as acusacoes que lhes eram feitas, pedem um inquerito ao fraccionismo, Nito Alves escreve ao seu amigo Albertino Almeida.* este fora delegado do ministerio publico e inspecto de prisoes , em Angola.Foi o primeiro embaixador portugues em Mocambique e que Nito Alves estivera em sua casa em Fevereiro 1974 *

Afirma que os inimigos desenvolviam contra ele uma campanha de calunias e intrigas , com o proposito de o desprestigiarem e destruirem politicamente .Acusavam-no de estar a criar um novo MPLA e de preparar um golpe de Estado. Esta convencido de que , caso o nao consegam destruir politicamente , nao hesitarao em recorrer ao assassinio.Assinala, a proposito , estarem os seus inimigos a explorar ao maximo os sentimentos e a sensibilidade de Agostinho Neto , a quem designa pelo primum inter pares do MPLA.

Agradece os concelhos e advertencias feitas e diz-se disposto a dar dois passoss a retaguarda , mas apenas dois , nem mais nem menos..Afirma ter ja posto a hipotese de sair de Angola , o que ate seria do seu agrado. Mas nao o fazia, por um lado porque o Presidente nao concordava, por outro lado porque sectores organizados do MPLAse manifestavam contra.

Permanecia, pois no pais.Todavia , enquanto nao fosse demonstrada a falsidade das acusacoes que lhe faziam , nao aceitava quaisquer responsabilidades a certo nivel que o levara a afastar-se do B.P. do MPLA. Porpusera, ainda, que fosse extinto o Ministerio da Administracao; à Interna, de que era responsavel.

Esclarecer que na reuniao plenaria do C.C. do MPLA Agostinho Neto se manifestara contra o seu afastamento do governo. Mas ele insistia em manter esta posicao.

AS TREZE TESES EM MINHA DEFESA

O testo que nos chegou as maos fas trze teses em minha defesa, da autoria de Nito Alves, e constituido por 143paginas dactilografads a um espaco, tendo a data de 11 de Fevereiro de 1977. Em anexo solicitava a sua distribuicao pelo Presidente, membros do C.C., Comissoes Directivas, Provinciais, Comite Centra da JMPLA  e Secretaria Nacioal da UNTA , propondo/se fazer ele proprio tal distribui;ao , caso nao fosse possivel faze-lo doutro modo...

No entanto, o objectivo do autor era denunciar, desmascarar e combater energicamente a natureza reaccionaria da alianca de direita, e dos maoistas no seio do MPLA, alianca que, segundo o autor , representava uma seria e verdadeira ameaca ao desenvlvimento do nosso processo revolucionario e um optimo servico as forcas do imperialismo internacional.

Nitoo Alves vinha sendo acusado de fraccionsimo , racismo e demagogia , ser um agente de Moscovo , de tentar um golpe de Estado. Defendendo-se propusera a constituicao de uma comissao de inquerito, que devia apresentar resultados no prazo de 60 dias . No entanto, decorridos 30 dias, ainda nem sequer fora ouvido. Assim, de acusado, passava a acusador.

Acusa certos membros do C.C. do MPLA e do aparelho de seguran;a do Estado * a celebre DISA* , assim como orgao de informacao controlados pelo governo e ,inclusive , jornais portugueses.

Acusa Saydi Mingas *ministro das financas* Carlos Alberto Vandunem *responsavel do DOM Regional de Luanda* E Lucio Lara , secretario administrativo do Comite Central que, na partica , se comportava como secretario geral e era o lider duma frac;ao de direita. Os tres teriam divulgado a existencia da comissao de inquerito ,violando a determina;ao do C.C. .E ACUSA ,TAMBEM OUTROS ELEMENTOS , Costa Andrade *Ndunduma * , director do jornal de Angola , Joao Malo *Radio Nacional de Angola*, Helder Neto* sntigopreso do Tarrafal, responsavel pela DISA* , Henrique Abranches*antigo comissario politico das FAPLA , designado director do Museu Nacionaal de Angola*, Artur Pestana dos Santos *pepetela*, Manuel Pedro Pacavira *membro do C.C. e antigo preso politico , que afirma ter sido o fundador do jornal tribuna dos muceques , criado pela PIDE/DGS,Paulo Mugongo *Dangereux* ,Julio de Almeida *Juju* , Henriques Teles Carriera *IKO* ,Ministro da defesa, e Rodrigues Lopes *Ludy*Director da DISA . De modo que, embora poupando Agostinho Neto, acusa alguns dos mais destacados dirigentes e quadros do MPLA Oficial.

Acusa-os de nao terem realizado um congresso que discutisse as questoes fundamentais de cada fase ou etapa no quadro geral do desenvolvimento da luta anti colonialista e anti-imperialista. E afirma que as diversas frentes da guerrilha nunca tinham sequer encontro

Acusa os dirigentes de elitismo, paternalismo e dirigismo, de sanearem sistematicamente militantes de esquerda e de afastarem quadros apenas poruqe tinham frequentado uma escola societica, de trucarem e substituirem deliberacoes tomadas, de levarem o Comite Central a tomar importantes decisoes sobre problemas que a maioria dos membrod nao conhecia e nao tinham estudado, de sabotagem as decisoes do Comite Central em materia de organizacao.Afirma que o Bureau Politico estava infiltrado pela CIA, na pessoa de um militar e que o Ministerio da Defesa era uma central do trafico de diamantes.

Acusa o jornal de Angola de destilar calunias contra ele e contra os martires, os militantes e as massas populares que combateram na 1 Regiao Militar.

Acusa a DISA a policia politica *DISA* de preeender militantes, dizendo que pertenciamá linha Nito e semeando uma vaga de terrror .Acusa-a , tambem , de utilizar a violencis fisica para arrancar confissoes a camaradas falsamente acusados da tenttiva de golpe de Estado . E desafia-a a apresentar todas as provas que possui sobre essa tentativa de golpe. Acusa um grupo de dirigentes e quadros do MPLA de estarem eles proprios a preparar um golpe militar. E a corrupcao nao se ficaria pelos diamentes. Estender-se-ia ao petroleo , aos abastecimentos , ao vestuario, ao trafico de armas , aos medicamentos e a outras areas.

 Comecara durante a luta armada. Deolinda, dirigente do MPLA na primeira metade dos anos 60,escreveu . * Os dirigentes nao devem cometer abusos do poder (...) acumular roupa, botas , etc. Destinados aos guerrilheiros , nao comer a farinha que se diz para as missoes , nao dar as amigas a comida destinados aos guerrilheiros , nao fazer trafulha com as encomendas enviadas aos guerrilheiros. E Adolfo Maria, elemento da Revolta Activa , declara ter ouvido historias sobre desvios de abastecimentos e de vestuario chegados dos paises de Leste e, depois vendidos no mercadoTais practicas terao continuando.

Ja depois da independencia, designado o governo, terao comecado a ser movimentados os dinheiros que os portugueses tinham deixado .E, por estranho que pareca, dirigentes acabados de chegar ja tinham dinheiro nas suas contas. Roubavam a grande e a francesa , aproveitando-se dos cargos que tinham.Importavam grandes carros , argumentado que, no tempo da guerrilha , tinham tido grandes dificuldades e , por isso, agora , tinham direito aquelas coisas .Era evidente que o povo comecava a ficar inquieto.Os negocios na area militar assumiam estranhos contornos. Iko Carreira , ministro da defesa , comprava a Franca Beliets fabricados no Tramagal .E compravam-s fardamento a uma empresa Portuguesa , a Luso-Angolana de representacoes Lda, que eram vendidos as FAPLA e a UNITA , de modo que, quando havia combates , nao se sabia quem era o inimigo

Quantas e quantas denuncias nao se fizeram ao presidente Neto sobre a corrup;ao.Mas Neto nunca nunca ,mas nunca castigou essa gente. Pelo contrario .Nalguns casos tera cstigado o denunciante.Ha quem avance com uma explica;ao para tal comportamento.

A corrupção correspondia a actos concertados por Agostinho Neto com um grupo da direcção, com vista a obter fundos para prosseguir uma politica privada.Isto porque o MPLA não era dirigido de formacolegial , mas grupal e ate pessoal. Os diamantes, por esemplo, podiam ser para oferecer aos dirigentes nigerianos, tendo em vista comprar o seu apoio na luta contra os outros movimentos. Eram oferecidos em Mao e a oferta não podia contar de qualquer relatorios. Muitos dos actos designados corrupção, eram, pois, doconhecimento de Neto,que, em privado, ate podia repreender a este ou aaquele. Mas nunca lhes aplicaria o castigo que a falta impunha, pois era cumplice em varios destes arranjos.A corrupção instalara-se nos costumes dos dirigentes da jovem República. Simultaneamente deteriorisava-se a vida sócia económica da população, piorando a situação alimentar. A tal ponto que, mesmo no hotel panorama, n altura o melhor de Luanda, so se comia galinha, dia apos dia..

A PRIMEIRA PRISÃO DO HISTORIADOR CARLOS PACHECO

Quando dairam de Angol , os soldados portugueses deixaram as armas , mas tiraram lhes os percutores , de maneiras que aquelas armas para nada serviam.Carlos Pacheco , um antigo comando que, na altura ,era professor , foi chamado a presenca de Agostinho Neto .Ele e o portugurd Joao Almeida ,menbro do PCP, ficaram de ver das possibilidades de arranjar percutoress para as armas.Pacheco foi mesmo requisitado ao Ministerio de Educacao , de maneiras que pudesse dedicar-se , a tempo inteiro , aquela importante tarefa.

Trabalhava em ligacao com Eugenio Verissimo d Costa *Zagi* membro do comite central do MPLA  e chefe da seguranca das FAPLA. Este lhe recomendou insistentemente que nunca dissesse o que andava a fazer .O plano era apenas do conhecimento dele e do Presidente. Mas  mais ninguem , nem sequer os dirigentes da DISA , Ludy e Onambwe , devia conhecer a tarefa. Como nao conseguiram arranjar os tais percutores, a dada altura, Carlos Pacheco.deixou de ser chamado por Agostinho Neto.Apresentou-se entao ,na sua escola ,para retomar o trabalho docente. A direccao da escola disse lhe- Nao sabemos,  o que andou a fazer durante o tempo todo em que esteve ausente. De maneira que deixou de ser professor. Bem insistiu no facto de nao poder dizer o  que andara a faser e de ter continuando a ser pago pelo ministerio da educa;ao , tendo sido requisitado pelo primeiro ministro .Disseram lhe que nada podiam fazer e que devia ir ter coma s estruturas do MPLA. Dirigiu se ao primeiro ministro Lopo de Nacimento, que tratara do problema com Neto.Mas este nada fez.

Em Setembro de 1976 por se negar dizer o que tinha andadndo a fazer , foi susoenso , por tempo indeterminado , pelo Dom Regional  tanto da militancia no MPLA como da actividade professional. Tres semanas depois, no dia 21 de Outubro foi preso e levado  para a DISA. Ali se encontro com joao de Almeida, que tambem fora detido e ia ser expulso de Angolaa .So que Carlos Pacheco  nao podia ser expulso porque ser Angolano , facto que os que o tinham prendido nao conheciam.

Permaneceu durante toda a noite no refeitorio .Pelas seis da manha , viu entrar pela porta Eugenio Verissimo da Costa *Nzagi* o dirigente do MPLA QUE Neto destacara para acompanhar a sua tarefa Perguntou-lhe o que fazia ali. Respondeu que estava preso. –Preso? A mando de quem ?-Respondeu que de Ludy  Kissasunda , o director da DISA- O rosto de Nzagi alterou-se. -Isto cheira-me mal. Vou tirar tudo a limpo com o Ludy.-Saiu, tendo voltado dai a um longo bocado. -Pacheco o teu problema esta solucionado. Podes ir. -Pacheco perguntou lhe o motivo  que levara a sua detencao .-Agora , nao vou dizer mais nada.Aparentemente, Agostinho Neto era manobrado e controlado em quase tudo. E este *quase* preocupava os manobradores. Nao sabiam o que se fazia naquele caso e desconfiavam do significado daquela ligacao. O presidente parecia estar a escapar-lhes .De modo que se terao inquietado. Eugenio Verrisimo da Costa *Nzagi*, um dos personangens desta historia , aparecera morto numa ambulancia , no dia 28 de Maio de 1977 .Tera sido liquidado pelos fraccionistas

O DESMANTELAR DA ORGANIZACAO DO MPLA E DO PODER POPULAR

Em meados de 1976, realiza-se no DOM REGIONAL uma Assembleia do Sector dos Estudants e Intelectuais, presidida por Lucio Lara , Beto Vandunem , ao lado de Lara ameaca- * Ai de quem , ai de quem ande por ai a dizer que o camaradad Presidente foi membro fo PCP. Ele nunca foi membro do PCP.

Lara vem anunciar que toda a estrutura construida pelo DOM Regional sob a direccao de Nito Alves , uma grande piramide que englobava todos os sectores, o do funcionalismo , o dos servicos , o operario e outros, seria alterada. E anuncioi que iam reduzir tudo aos comites ,aos grupos de accao.

Segundo Carlos Pacheco ,existia uma verdadeira piramide , virada para baixo , porque a direccao se encontrva com as bases .Ora Lucio Lara anunciava ir destruir aquela organizacao.Reduzidos aos grupos de ac;ao , nunca mais haveria comunica;ao de uns com os outros . Mas a ofensiva nao se fez apenas contra as estruturas do movimento .E tambem retirada legitimidade aos orgaos do poder popular wu tinha sido eleitos.

Como ja se salientou, Agostinho Neto e a Direccao do MPLA tinham do Poder Popular a ideia de um orgao de massas sem qualquer poder de actuaco politica social, quando muito um orgao de mediacao. Ao passo que Nito Alves e os seus concebiam o  Poder Popular como orgao de enquadramento da vida politica e social do pais.

INTRIGAS CALUNIAS E PROVOCACOES

Em Outubro de 1976 , foram encerrados o programa radio fonico Kudibanguela e o jornal Diario de Luanda ,aparentemente ligados aos nitistas. Sera ,tambem proibido o programa da radio pvo em Arma.

Prossegue, entretanto, a actividade dos meios de comunicacao oficiais, que, a pretexto do fraccionismo, desenvolvem uma propaganda asfixiante, intensidicando a intriga e a calunia contra os adversarios.

No oficioso Jornal de Angola ,sao particularmente violentos os editoriais de Cost Andrade *Ndunduma*. E Artur Pestana dos Santos *PEPETELA*  escreve ai uma curiosa historia , intituladas . *A Vibora de Cabeca ao contrario * Apenas sera publicada a 21 de Junho de 1977. Mas fora escrito a 15 de Maio, portanto antes do chamado golpe de Estado .Merece ser conhecida.

*...Corria  boato de que o leao estava muito doente e ia morrer. – Q          ue vai ser de nos ?, interrogava o grupo do cagado * o mais  intiligente e sabio , a seguir ao leao * , do coelho e do macaco.A vibora de cabeca contrario, que, como se conta , em tempos se colocara ao lado do leao ,ambicionaria , agora , o lugar deste.-Fora vista, cada com mais frquencia (...) a conferenciar com a hiena e o abutre. Este grupo ia alargando , comportando tambem  a avestruz e, oh admiracao , o miope rinoceronte. E um dia , o abutre trouxe o seu primo corvo , que esta banido.O cagado e o coelho conseguiram , um dia enconstar a coruja no buraco da sua arvore e insistiram com ela para que dissesse a verdade .A coruja insistia em que o leao estava de otima saude. -Mas porque nao apareceste ? Perguntou o cagado .Porque nao o podemos visitar , nos os que o seguimos ? Nao sei, ele e que nao quer – disse a coruja ,Tem os eus palnos. A vibora de cabeca ao contrario acabra por morrer e ainda hoje se pode ver , no meio da mata , transformada em grosso cipo- ]E perfeitamente possivel identificar personagens e situacoes.A vibora de cabeca ao contrario e , reconhecidamente , Nito Alves. O leao so pode ser Agostinho Neto , a quem sera diagnstificado um cancro no pancrea , de que morrera dois anos depois.- O cagado e Lucio Lara .O coelho pressume se que seja Iko Carreira .E o macaco , talves Carlos Rocha *Dilolwa. Nito Alves e os seus amigos estavam a ser objecto de apertada vigilancia. E o Presidente tinha os seus planos.. Repara-se que na altura em que a historia foi escrita , Nito Alves ,cuja a morte se anuncia , ainda era membroo do Comite Cenntral do MPLA.-COMISSAO DAS LAGRIMAS. Extactos com Carlos Pacheco

Manuel Rui Monteiro  acusou-o, entao de ser um aente do KGB. , sublinhou.- Voces comunistas queriam tomar conta da situ;ao em Angola . Pacheco respondeu-;he- Desculpe, mas com quem e que estou a falar? Os senhores estao ao servico de quem?-

Eu estive ao servico dum regime assumidamente socialista. O comite central,em reuniao de Outubro de 1976, assumiu o socialiso. Asumiu o socialismo como  forca politica e doutrinaria de desenvolvimento deste pais. O socialismo e uma coisa que esta consagrada nestes pais .Eu estou a falar com quem .Os senhores estao a acusar me de infiltrado no PCP? Nao sou ! Agora que estou identificado com o MPLA,COM AS DIRECTRICES DO MPLA , com toda a doutrina do MPLA , estou identificado. Os senhores estao identificados com quem? Para me chamarem comunista ou infiltrado do PCP, os senhores naos estao dentificadoscom o socialismo.

CONCLUSAO.-Assim sendo ,Iko Carreira, Henriques dos Santos , Ambrosio lukoky,Costa Andrade Ndunduma e tantos outros que constituiam a comissa das lagrimas nao estavam identificados com o socialismo , tendo em consideracaio os depoimentos do Historiador Carlos Pacheco,o que nao esteve de perto errado porque o retorno ao capitalismo articulado em Angola , vem validar a afirm;ao do Historiadar Carlos Pacheco passados que sao mais de 33 anos , assim com a aprova;ao da lei  10/88 11 anos depois .

EXPULSOES, PRISOES, E AMEACAS

 No hospital em que trabalhava, Sita Valles encontra Carlos Jorge , elemento da DISA ,numa altura em que tinha prendido uns jovens .E pergunta-lhe o motivo que levara a tal prisao. Carlos Jorge come;a aos gritos , dizendo que nao adnitia que uma estrangeira lhe viesse dizer o que devia ou nao fazer no seu pais..

A cena repetir-se-ia no dia 29 de Agosto, na casa  dos Vandunem , onde se festejavam os anos de Jose. Este acabou por expulsar Carlos Jorge e os policias que o companhavam.Ao sair. Carlos Jorge ameacara. - *Estas com essa pose toda, porque es membro do comite central .Mas olha que , em breve , nos valtaremos a encontrar , em circunstancias bem diferentes *

Em meados de 1976, Lucio Lara, numa reuniao do B.BP afrima quue Sita Valles fora mandada pelo Partido Comuniataa Portugues para controlar o MPLA ,logo acrescentando haver varios portugueses com a mesm missao.

Na sequencia desta intervencao oo B.P deliberara afastar dos Portugueses. A medida visava Sita Valles. So que esta nascera em Angola. De modo que, pouco tempo depois, sao afastados todos aqueles que anteriormente tinham militando noutras organizacoes politicas, o que podia levar a exclusao de Lucio Lara e o proprio Agostinho Neto.Este entorna o problema declarando semembroo do MUD juvenil .E recomenda a sua assessora , tambem ela antiga militante do PCP, que escrevera preccisamente isso na fucha que lhe entregara.

Contudo, militantes de outras organizacoes, como UDP ou o MRPP, nao sao atingidos. A medida tem caracter pessoal. Visaapenas Sta Valles , que e afastada do MPLA .Mas ou menos por esta altura, foram/na buscar , pois Lucio Lara queria falar com ela. Facto e que desapareceu durante bastante tempo .O marido moveu ceu e terra para encontra a mulher.

A nivel militar sao afastados varios combatentes com provas dadas.

Joao Jacob Caetano *Monstro Imortal* e colocado no Estado Maior das FAPLA na dependencia de combatentes menos capazes.Jose Vandunem e afastado do comissario politico do Estado Maior Geral , passando a comissario politico da frente Leste . E susbstituido no cargo pelo comandante Bakalov , elevadas qualidade operacionais , mais uma menosr capacidade politica.E sao , ainda, suspensos das suas funcoes , os responsaveis do departamento de Alfabetiza;ao de Quadros do comissariado Politico Nacional das FAPLA.Em fins de Setembro de 1976 , um tal Pedro Sifer , da DISA, afirmava , alto e bom som, que Juca Valentim  Jose Vandunem e outros eram uma camarilha que iria desaparecer. E em finais do ano, numa reuniao do sector intelectual no DOM Regional, Lucio Lara ameaca.-*... Venho dizer-vos que o Presidente Neto ja afirmou , por mais de uma vez , que nao admite que se diga que ele ou que eu fomos membros do Partido Comunista Portugues.Participamos ,sim, em celulas de luta anti colonial , ligadas ao PCP. Mas, se insistem em dizer que fomos do PCP, SER MUITO FACIL RESOLVER O PROBLEMA DE VEZ. Enconsto-vos ao * paredon* O fuzilamento, metodo radical de solucao dos problemas.

Em Marco de 1977 , a saida duma reuniao do Concelho da Revolucao , e preso o comissario politico do Estado Maior da Frente Sul ,Pedro Santos.

Em Abril de 1977, o Bureau Politico do MPLA sispende o Comite Central da JMPLA, aparentemente por ter critivado o facto de um comunicado emitido pelo B.P., a proposito do 4 de Fevereiro , conter citacoes integrais de Mao Tse-Tung , num momento em que a direccao do do MPLA AVANCA COM DIRECTIVAS TENDENTES A COMBATER  a literatura e as ideias maoistas. O comunicado fora redigido, ao que pparece, a mando de Lucio Lara, por talBeirao, que vira a ser um dos torturadores da cadeia de Sao Paulo.

Todos os que estiverem relacionados comigo ou com a 1 regiao vao ser presos .Vem ai uma tragedia . Anunciava Nito Alves a seus amigos.- Jose Mingas, dirigente da DISA, avisa Jose Vandunem e Sita Valles de que esta em marcha um atentado contra eles, que sera realizado por eleementos marginais. Disse-lhes, tambem, que ia haver prisoes.

Numa reuniao da juventude do MPLA Saydi Mingas , ministro das financas , afirma que aqueles senhores iam ser presos e mortos.

Depois da reuniao do Comite Central e da Assembleia Geral de Militantes, a 21 de Maio , na Cidadela , os medicos que vao a casa de Nito medir-lhe a tensao arterial ,visto ser hipertenso , nao o encontram .Desaparecera.

Em Sao Paulo, Helder Neto anuncia estar a preparar a cela para Nito Alves e Jose Vandunem, que , como veremos adiante , tinham sido presos antes do 27 de Maio , embora nao na Cadeia de Sao Paulo.

Ha incursoes da DISA nos muceques, particularmente no Sambizanga e no Rangel .Uma batida no Sambizanga , casa a casa , tera despoletado uma onda de agitacao nos muceques , dando origem a reunioes espontaneas e iradas das assembleias populares, alastrou a outros seis musseques , incluindo as areas habitadas por operarios no Rangel, no pRenda e no Bairro Operario.No dia 26, o patio da Cadeia dde Sao Paulo enche-se de colchoes de espuma destinados aos muitos presoso que se esperam. Serao levados por populares , durante o assalto a prisao no dia seguinte.

Neste mesmodia estanto a almocar com o italiano, o hotel panorama , uma nossa entrevistada lembra-se de lhe terem chamado a atencao para uma serie de individuos europeus , com ar patibular , que comiam na mesa ao lado....

*Apartir de agora, nao respondo pela vossa integridade fisica*.- Terao sido presos depois disto

No dia 26 de Maio, Lucio Lara aparece no horario nobre da televisao. Le umcomunicado do B.P. do MPLA. E uma mensagem terrificante. Delcara que existem camaradas que estao a violar principios Constitucional e as normas do MPLA .E da a entender que ha quem esteja a preparar um golpe de Estado*235*Entrevista ,Carlos Pacheco, historiador

 Extractos do livro purga em Angola da autoria de Dalila Cabita Mateus * e Alvaro Mateus

FRACCIONISMO DO MPLA PROTEGIDO DUPLAMENTE PELO SEC B.P. E O B.P. –VISA MANTER  E CONSERVAR OS PENDENTES DA DESCOLONIZAÇAO E HIPOTECO DE ANGOLA- EIS AQUI A  BASE DO FRACCIONISMO DO MPLA

ADVERTENCIA DE ALVES BERNARDO-NITO ALVES 11/11/77-«...O poder real pertence , tambem , em certo  ssentido , aq uem executa  os projectos de Leis, diplomas e regulamentos , etc.Este poder não está nas mãos do COMITÉ CENTRAL, está na posse efectiva da PEQUENA BURGUESIA da inteelctualidade Abrilista...»«...Refiro-me aos OPORTUNISTAS  e nunca ,claro ao sector progressista , e revolucionario da nossa intelectualidade.Este poder de Estado , em grande parte está nas mãos de intelectuais de formação ideologica maoista que dominam MINISTERIOS chaves da ECONOMIA  e da EDUCAÇAO  e ENSINO NACIONAIS...» continuando dizia.«...”. O Comite Central , quando se reune , e com o governo acontece o mesmo, limita-se a APROVAR com as naturais DEFICIENCIAS, projectos de leis e outros  o que em via de regra sao APROVADOS  e nem sempre SAO DA SUA INICIATIVA  e nem sempre estão em CONFORMIDADE com o PROGRAMA MAIOR  do MPLA´´...»

Daqui que se pode concluir que a direcçao do MPLA não teve e nao tem capacidade para educar os militantes e os trabalhadores Angolanos na luta pel a instauraçao do Estado de Democracia Popular rumo ao Socialismo.«...Durantes a luta de libertaçao Nacional alguns elementos da pequena burduesia ligaram se a grupos extremistas de esquerda da Europa e particularmente de Portugal , onde recebiam as directrizes para INFILTRAREM SE NO MPLA , com a intenção de SUBSTITUREM de qualquer maneira a SUA DIRECÇÃO...» Daqui que se questiona;O que foi então feito com estes infiltrados? Pois a resposta é simples: Estes infiltrados permaneceram no partido com atesta a afirmaçao que se segue do Presidente

JES/4/4/1980 - «...Alguns elementos OPORTUNISTAS mostraram se bastante dinamicos durante o Movimento de rectificaçao apenas para obter o cartão de membros do partido e conseguir funçoes de responsabilidade que lhe conferem maiores vantagens e privilegios no Aparelho do Estado...» -Continuado disse.-

»...Se após 6 anos de independencia algumas coisas ainda não vão como desejamos , devemos procurar as CAUSAS PRINCIPAIS no partido e não somente nas estruturas do aparelho de Estado...»- Portanto por logica questionamos.-Ora depois 36 anos de independencias as coisas deram para o inverso com o anuncio do retorno ao CAPITALISMO ARTICULADO ,em 12 de Janeiro de 2012, claro que as causas principais vamos entra lá no partido nomeadamente na sua direcção. - Eis aqui, portanto  a meta atingir saído das resoluções da 3 plenária do comite central de Outubro de 1976 e  1º congresso de 1977—

INSTAURAÇÃO DO ESTADO DE DEMOCRACIA POPULAR  –  fase  (1)-1-De 1977 a 2017 – Fase de ditadura democratica revolucionaria-Este periodo teria como missão preparar as condições para a instauraçao da Ditadura do Proletariado  ( Duração 40 anos)

INSTAURAÇAO DA DITADURA DO PROLETARIADO-fase (2) ( Duraçao 25 anos )- Periodo de transiçao seria de 65 anos

2-De 2017 a 2042 – Fases de Ditadura do proletariado – Este perido tinha como missao a garantir e assegurar  as bases tecnico material para instauraçao do Estado Socialista  na Republica Popular de Angola- Cuja missao era e é da reposnabilidade do MPLA, dos militates  , simpatisantes e amigos do MPLA.-CONCLUSAO:-A direcçao do  MPLA REVELOU SE INCAPAZ, e para justificar  e esconder a sua incapacidade , tornou publico o retorno ao capitalismo articulado  que nao é senao anti tese do programa  maximo do MPLA- definido nos 9 congressos ja realizados.-Logo esta direcçao deve ser cusmetido a um processo disciplinar para que se apurem as razoes e causas desta  traiçao  e permitir correçao da linha politica partidaria porquanto –Os actos desta direcçao ate agora practicados são nulos .- É A MISSAO DO 7 CONGRESSO

EIS AQUI A GRANDE CONTADI;AO ENTRE O SECRETARIO GERAL EO PRESIDENTE

COMPLEMENTA A ESTA AFIRMACAO AS CITACOES DO PRESIDEMTE JES/2007

(...O MPLA e contra qualquer forma de ditadura de classe porque defende a democracia ..) –

So que se esqueceu de dizer que tipo de democracia  e que defende, HOJE  porque  ate ao 5   quando diaae abandonar o centralismo democratico que infelizmente nunca o aplicou , faz o mesmo  com a ditadura . Se esqueceu de que todo o tipo sistema de governo ]e a domina;ao de uma classse sobre os meios de produ;ao e para defendela usa uma for;a de coer;aoo afecta ao Estado. Continuando dizia em 7/2/2007./

( ...Diz se que os referidos textos  sao elaborados  por tendencias  do MPLA que nao se manifestam abertamente .Esses grupos nao sao do MPLA .As corrrentes de opiniao no seio do MPLA , sao promovidad na base do principio e dos objectivos estabelecidos nos estautos...)  - Esta tese de exclusao e uma tese sectarista , logo o Presidente devia ser submetido a um processo de inquerito por actividade fraccionista . Porque nao o foi ? Porque ele concentra todos os poderes  em viola;ao ao decreto lei  23/92,.  Continuando disse*... Os comites do Partido das bases devem desmascarar estes grupos...* -Daqui se Questiona e o Grupo da direc;ao do Partido o seu SER,B.P  que desviou de linha e programa do MPLA nao deve ser desmascarado? Que instaurou a ditadura em Angola com capa de falsa democracia fica impune ? Por quê ? Porque , todos os poderes estao concentrados para fins anti Nacionais ./Acaso e este objectivo que se criam as corrente no seio do MPLA >- Os militantes erxigem respostas.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

ESCUTE A RÁDIO !

Publicidade : +32 493 84 66 30 +32 484 50 60 29

Angodiaspora sur faceboook

Estatistícas do Portal

2308647
Hoje
Ontém
Esta Semana
Semana Anterior
Este Mês
Mês Passado
Ao Total
148
715
4311
2296603
13156
32396
2308647

QUEM SOMOS NÓS ?

QUEM SOMOS NÓS?

Nós somos um grupo de jornalistas, ciêntistas, políticos, sociedade cívil e a Voz de sem Vozes, que pretendem transmitir através o mundo, o grito de um Povo sequestrado e oprimido de Angola e do mundo em particular.
Achamos que a informação deve ter fontes multíplas e essencialmente independentes dos poderes políticos e das forças económicas. Fazem parte desta independência, os jornais, a rádio, as televisões, os portais (web), os diferentes espaços sociais, assim como as instituições de sondagem e as instituições estatistícas.

Leia mais